MULHERES, APRENDAM COMO FALAR DE SEXUALIDADE COM SEUS FILHOS

Nem sempre é fácil falar sobre sexualidade com seus filhos. No entanto, a sexualidade é uma das mil e uma questões das crianças. Eles querem saber de onde vêm e entender o que estão experimentando e sentindo. Discutir sexualidade deve ser parte integrante da educação que você dá a eles.

Responda bem às suas perguntas sobre sexualidade

A vida cotidiana oferece muitas oportunidades para abordar a sexualidade. A troca da fralda ou do banho da irmã mais nova pode ser hora de falar sobre diferenças anatômicas.

O beijo trocado por mamãe e papai pode ser uma oportunidade para abordar o relacionamento privilegiado que existe entre 2 pessoas que se amam.

A gravidez pode ser um bom momento para explicar como os bebês são feitos, etc. Quando você observa certos comportamentos sexuais em seu filho, esta pode ser uma oportunidade para falar sobre a importância da intimidade.

Aqui estão algumas dicas para responder às perguntas do seu filho sobre sexualidade e acompanhá-lo bem em suas descobertas:

Ensine ao seu filho as palavras certas

“pênis”, “vulva”, “vagina” em vez de “pipi”, “perereca”, etc. Faça isso ao mesmo tempo que outras partes do corpo: olhos, nariz, boca, umbigo, pênis, etc., sem colocar mais ênfase nos órgãos genitais do que em outras partes do corpo.

Se você não fala sobre sexualidade ou se usa palavras inadequadas para falar sobre isso, isso indica desconforto.

Da mesma forma, se você insistir demais no assunto e muitas vezes pedir ao seu filho, quando ele está no banho, para mostrar onde está o pênis dele, por exemplo, seu filho pode não se sentir bem. Na sexualidade como em todo o resto, é melhor buscar o equilíbrio certo.

Adote seu ponto de vista sobre sexualidade

Antes de explicar, reagir ou até mesmo julgar o comportamento do seu filho, tente se livrar da sua aparência adulta e adote o ponto de vista da criança. Uma criança não é um adulto em miniatura.

A sexualidade da criança consiste em curiosidade e exploração, não na busca de prazer, uma relação de sedução e o desejo de ter um bebê como nos adultos. Assim, suas perguntas mostram interesse em aprender e entender o mundo ao seu redor, assim como ele faz em outros tópicos.

Crie um clima de comunicação e confiança para falar de sexualidade

Assim que seu filho perguntar de onde vêm os bebês ou perceber o sexo diferente de outro, você pode começar a falar com ele sobre sexualidade. Ouça seu filho para detectar suas perguntas, mensagens não ditas e pequenos genes.

Mostre também sensibilidade. Assim, você criará um clima de confiança e discussão para falar sobre sexualidade. Essa atitude de abertura preparará a mesa para compartilhar as preocupações sexuais que ele poderia experimentar, mesmo na adolescência. Evite perguntar a ele: “Onde você ouviu falar sobre isso? “, porque ele pode acreditar que chocou você.

Se uma de suas perguntas o surpreender, simplesmente diga a ele que você não sabe o que responder a ele e que falará sobre isso novamente. Então, descubra e volte para ele com uma resposta. Dessa forma, ele descobre que pode confiar em você.

Dê a ele informações verdadeiras e adaptadas à sua idade

Deixe-o falar um pouco antes de responder. Por exemplo, pergunte a ele: “O que você acha? O que você sabe sobre isso?”. Assim, você poderá avaliar seu nível de conhecimento e vocabulário e, em seguida, ajustar as informações a serem dadas a ele com base no que ele sabe e no que ele parece querer saber.

Certifique-se de que suas respostas sejam tão simples e curtas quanto as perguntas dele. Se ele quiser saber mais, ele fará outra pergunta.

Os efeitos de uma boa comunicação
Estatisticamente, crianças mais bem informadas atrasam sua primeira experiência sexual, têm menos parceiros e são menos propensas a ter relacionamentos desprotegidos.

Por outro lado, fugir de perguntas ou rejeitar explicações enfraquece sua sexualidade em vez de protegê-las. A criança então entende que não deve falar sobre esse assunto com seus pais.
Mais tarde, quando adolescente, ele pode preferir encontrar respostas para suas perguntas de seus amigos ou na Internet consultando, por exemplo, sites pornográficos.

As respostas que ele encontrará lhe darão uma imagem distorcida da sexualidade. Da mesma forma, é difícil para os pais convencerem seu filho adolescente a falar sobre sexualidade com eles se eles mostraram desconforto em discuti-la quando ele era criança.

Assim, se você responder às perguntas que seu filho se faz, ele tenderá a continuar a recorrer a você para falar sobre sexualidade na adolescência, em vez de confiar em seus amigos ou no que ele lê e vê na Internet.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.